Interpretações mais legais das músicas de Cartola, ícone do Samba

Ainda é cedo, amor… Quem nunca ouviu essa frase na voz do Cazuza e teve um arrepio na espinha? É uma das muitas músicas de Cartola, regravadas por grandes nomes da música brasileira.

Cartola era um compositor e poeta que escrevia sobre sua vida e suas escolhas de um jeito singular.

Malandro do Rio, cresceu pobre e recebeu o apelido durante seu trabalho como pedreiro. Foi se ajeitando na música pelo Samba, até criar uma das maiores Escolas de Samba do Brasil, a tão conhecida “Estação Primeira de Mangueira”.

Com tudo isso, toda a paixão, romance e sinceridade de Cartola, criamos uma camiseta (link) para tentar, de alguma forma, homenagear esse grande nome da música nacional.

Entre muitas homenagens, separamos 5 por aqui.

1 – “O mundo é um moinho”, interpretada por Cazuza

A música foi composta para Creuza Francisca dos Santos, filha adotiva de Cartola e de sua primeira esposa. A canção refletia as preocupações de Cartola com a garota, que havia entrado para a prostituição.



2 – “Minha”, interpretada por Zeca Pagodinho

Uma das Músicas de Cartola que entrou no CD “Deixa a vida me levar”, do Zeca Pagodinho, gravado pela Universal Music. O disco vendeu 500.000 cópias e ganhou disco de platina 2 vezes.



3 – “Tive sim”, interpretada por Theresa Cristina

Composta na década de 1960, “Tive Sim” seria uma resposta aos ciúmes de sua companheira, Dona Zica, na qual o sambista abria seu coração, referindo-se a Deolinda, seu amor do passado. O compositor deixa claro, na canção, que o amor que teve era incomparável com o que sentia pela atual esposa, levantando a dúvida sobre se tratar ou não de uma canção romântica.

“Tive sim, outro grande amor antes do teu(…), mas compará-lo ao teu amor seria o fim/ e vou calar, pois não pretendo, amor, te magoar.”

 


4 – “O sol nascerá”, interpretada por Nara Leão


A canção foi composta em 1961, na casa de Cartola, na época muito frequentada por diversos sambistas. A letra nasceu de maneira improvisada. Cartola havia acabado de compor uma música chamada “Castelo de Pedrarias”, quando chegou o amigo Renato Agostini, que após ouvir o novo Samba, desafiou-o a fazer outra letra, em sua presença. Pouco depois disso estava pronto “O sol viverá”.

Três anos depois, a canção foi uma das escolhidas para integrar o álbum de estreia de Nara Leão. Na gravação, atendendo a um pedido do produtor Aloysio de Oliveira, o título foi alterado para “O sol nascerá”.

 

5 – “As rosas não falam”, interpretada por Alcione  

As rosas não falam” é uma poesia, como muitas outras músicas de Cartola que virou canção. Interpretada por vários nomes da música nacional, é um dos grandes sucessos do sambista.



6 – “Basta de clamar inocência”, interpretada por Elis Regina

Após sair da Phonogram, sua antiga gravadora, e já independente na escolha das canções, Elis escolheu essa música para entrar no disco intitulado de “Essa mulher”.

 

Um desbunde para os ouvidos, que lindezas!