Política e Mídia : questionamentos de House of Cards

De acordo com o livro O Príncipe, de Maquiavel, para ser um bom governante deve-se acreditar na premissa “ os fins justificam os meios” , deixando a ética em stand-by quando necessário. Frank Underwood segue fielmente essa linha da primeira à quinta temporada de House of Cards.

O início da série ja conta com uma relação de simbiose entre política e jornalismo, com a “parceria” entre Zoe Barnes e Frank (simbiose que dura até o momento em que Zoe se transforma em um empecilho na ascensão de Frank e ele a empurra nos trilhos do metrô).

A dependência que os políticos criam com a imprensa é enorme; já que os meios midiáticos – principalmente os mass media – são usados o tempo inteiro para a manipulação de informação. As manobras e intrigas dos bastidores políticos são ou não divulgadas pela imprensa; tudo é determinado de acordo com a estratégia do jogo de cada emissora/empresa e  político.

A mídia é explorada pelo campo da política, mas por vezes essa relação se inverte já que com o passar do tempo as regras e ações da mídia passaram a ter uma força normativa na política; através da adaptação de discursos de políticos, da expansão das agências de comunicação e imprensa dos partidos e governos, e até mesmo da preocupação com a imagem pessoal, que se torna uma das principais de muitos políticos, por exemplo.

House of Cards consegue despertar em nós vários questionamentos sobre o funcionamento da sociedade, da política e suas relações através da mídia. Que o fazer político é cada vez mais dependente do fazer comunicacional nós temos certeza; mas a forma que as plataformas “traduzem” e explicam o mundo político é que deve ser feita com mais ética e clareza.

Thomas Jefferson – principal autor da declaração da independência dos EUA e terceiro presidente do país- observou:

“ … se fosse deixado a mim decidir se devemos ter um governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não deveria hesitar por um momento em preferir o último…”

A deixa foi dada para a lista que se segue com as quatro cenas em que política e mídia convergem na série:

1.

A primeira conversa entre a jornalista Zoe Barnes e Frank Underwood.

 

2.

A forma que Zoe morre é inesperada, mas a causa não, pois ela sabia coisas demais para uma    jornalista. Até em seu momento final os meios de comunicação aparecem em destaque já que são importantes os vestígios deixados – ou não – por eles.

 

3.

Essa cena não conta com uma interação explícita entre política e mídia, mas nos permite perceber como uma se sobrepõe a outra em algum momento, já que a regra é clara: “Cace ou seja caçado” (mais uma da incrível série de frases do arsenal de House of Cards).

 

4.   

Para fechar com chave de ouro, temos a cena do discurso político de Frank na televisão – em que ele deixa clara a sua falta de desejo de seguir no cargo de Presidente dos Estados Unidos –  fazendo mais uma jogada e um movimento com a ajuda da mídia.

 

 

 

 

Comentários (0) Tags: No tags