Com M maiúsculo!

Já teve a experiência de se surpreender com a performance ao vivo de algum artista que parecia possuir uma poderosa energia capaz de transcender as fronteiras da música, provocando sensações sinestésicas e uma troca envolvendo intensamente o público? Sabe aquele show que deixa todo mundo de queixo caído? Daqueles que conseguem fazer um estádio inteiro vibrar numa mesma sintonia? Tudo bem, sei que estas perguntas podem parecer meio nonsense a princípio, mas fato é que existem alguns (poucos) casos em que isto acontece. É como se alguns músicos fossem como antenas capazes de captar e sentir a melodia de forma mais forte, canalizando, amplificando e retransmitindo este sentimento para a plateia como se deles emanasse uma nova aura.

Tive o privilégio de assistir a algumas apresentações que marcaram para sempre o modo como eu enxergava (e ouvia) música e após refletir um pouco sobre o assunto achei que devia compartilhar isso com vocês.

Quem gosta de Florence + The Machine, Ben Harper, Pearl Jam e R.E.M. sabe do que eu estou falando. Basta assistir, mesmo que seja em casa, alguns minutos dos shows destes artistas para começar a entender. É como se eles carregassem uma espécie de luz interior capaz de revigorar e transformar o astral de todas as pessoas. O nível de entrega é completo e o público se contagia sentindo-se revigorado. Para eles a música é uma entidade sagrada, com nome próprio e começa com M maiúsculo.

Um novo começo para um velho conhecido

Em meio a tantas referências e inspirações, encontramos na possibilidade de dar voz às pessoas através de nossas camisetas a principal motivação para seguirmos em frente com nosso trabalho. Nos primórdios de nossa história, esse ideal era um pouco diferente: criávamos o que nós mesmos tínhamos vontade de vestir, mas que dificilmente encontrávamos em lojas. As camisetas serviam como suporte para nossas ideias.

Passados alguns anos, a necessidade de expandir territórios fez com que deixássemos de lado essa linha criativa “egocêntrica” (no bom sentido). Desde então passamos a trabalhar com temas, cores e formas que dialogam com um público muito mais amplo, mas que tem a mesma necessidade que serviu de faísca para acender a chama da Chico Rei, mais de cinco anos atrás.

Há poucos meses, conseguimos realizar um sonho antigo e lançamos a Chicundum, nossa revista-pôster. Esse projeto nasceu da vontade de botarmos para fora o monte de caraminholas que passam por nossas cabeças, como no começo da Chico Rei, só que em outro meio. Com conteúdo produzido por nossa equipe, a primeira edição ganhou os quatro cantos do Brasil e mostrou que veio para ficar.

Mas como não conseguimos ficar parados, pouco tempo após o lançamento da Chicundum, abraçamos a ideia de um novo blog, que seria mais um espaço para compartilharmos um pouco mais sobre o que pensamos com quem gosta e acompanha nosso trabalho. A partir daí, abrimos espaço para todos os componentes de nossa equipe colocarem para fora um pouco de suas ideias, seus gostos pessoais e, por que não, suas personalidades.

Agora o novo Blog Chico Rei estreia com força total, apresentando conteúdo original e bastante opinativo. De segunda a sexta, serão publicados novos posts sobre temas variados, como Música, Cinema, Séries, Games, Brasilidade, Decoração, Moda, Viagens, Fotografia, Literatura e outros tantos que podem aparecer por aqui ao longo do caminho.

Nossa expectativa é que este seja um espaço que apresente novas ideias, fomente discussões e, principalmente, aproxime ainda mais a Chico Rei e nossos fieis seguidores. Você é nosso convidado mais do que especial: esperamos que goste!