Colômbia: o risco é querer ficar!

Largando a hipocrisia de lado, se alguém perguntasse o que me vinha à cabeça sobre Colômbia, a resposta na ponta da língua falaria sobre as FARC, cocaína e zefini! Mas por aqui bate um coração que, com todo o respeito aos tupiniquins, adora o risco de um programa de índio, sempre na esperança de surpresas alegres.

Com aquele preconceito sobre a terra de Gabriel García Márquez, tomei voo pra lá. Fui primeiro parar em Cartagena das Índias, que fica ao norte de nosso continente, no mar do Caribe. Já era noite, não fazia 20 minutos que andava pelas ruas de paralelepípedo e um homem, sorrateiramente, falou baixinho qualquer coisa e com a cabeça acenei que não havia entendido meia palavra. Ele fez um gesto como se cheirando alguma coisa, me deu um sorriso maroto e… Pronto! Meu preconceito estava virando um conceito. Cheguei à terra da cocaína e da violência, que bobeira eu ali!