Leia mulheres

Leia Mulheres, a leitura é poderosa e o texto deveria ultrapassar as questões de gênero, porém o mercado editorial não tem a mesma condescendência com homens e mulheres. Segundo uma pesquisa da Universidade de Brasília que engloba o período entre 1965 e 2004, mais de 70% dos livros publicados pelas grandes editoras brasileiras tiveram um homem como autor. O estudo avançou para o enredo das obras e os personagens retratados também se aproximam da realidade dos autores: 60% dos protagonistas são homens, sendo que 95% desses personagens são heterossexuais e 80% brancos.

30 de janeiro – Dia da Saudade

A saudade é uma das provas mais bonitas de que a gente está vivo. Pode significar uma ausência permanente ou temporária. Foi um “chega de saudade” que inaugurou a bossa nova, nesse apelo do parceiro para “acabar com esse negócio de você viver sem mim”. A saudade pode ser uma canção, um cheiro, um bilhetinho pendurado no varal de lembranças.

A saudade também é bússola do que a gente ainda deseja desse passado-presente: gostaria de voltar atrás no rumo daquela prosa porque enche seu coração de sentido? Ou, deixa assim mesmo como lembrança? A saudade acalenta, mas também pode amargar que nem jiló. É larga e aparece em primeira – quem nunca sentiu saudades do que foi um dia? – ou em muitas pessoas. Quem tem história, tem saudade.

Alegria, alegria: chegou a nossa playlist de verão

O verão chegou cheio de bossa mostrando que azul é a cor mais quente. Se não tem mar, vale banho de cachoeira, piscina, chuveirão, mangueira. Ou banho de chuva, a danada que adora promover casamento de viúva na estação mais pé no chão do ano.

As tonalidades de azul variam da cor do mar ao céu. Aliás, no verão, o nosso céu a gente inventa. Para caberem encontros de amigos, amores de marinheiro, ou celebrar a união de praia que subiu a serra. No guarda-sol-chuva do verão tem espaço para esquibunda na grama, churrasco de inauguração da piscina de plástico, ler na canga, cochilar na rede, prosear na sorveteria, usar chapéu sem formar muita questão filosófica. Por sinal, verão é tempo de deixar os temores de lado, aumentando o entendimento sobre a natureza e diminuindo a preocupação sobre as horas:

A Fantástica História de Chico Rei

No dia 20 de novembro a gente celebra a Consciência Negra no Brasil. A data é um convite para pensarmos na luta contra a discriminação racial e na contribuição da comunidade negra para o país. A escolha lembra o dia em que Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, foi assassinado, no ano de 1695. Zumbi foi um símbolo de resistência durante o regime escravocrata. 

Por aqui, aproveitamos o dia para homenagear Chico Rei. Embora não exista comprovação histórica de sua existência, é um personagem lendário presente na tradição oral mineira desde o século 18. Galanga era rei do Congo, mas acabou capturado com a família por portugueses e enviado ao Brasil para ser vendido como escravo. Durante o trajeto, sua mulher, rainha Djalô, e a filha, princesa Itulo, foram lançadas ao mar.