Livros que foram parar no cinema e na Chico Rei

A gente sabe que classicamente não há filme que faça jus ao livro, salvo raríssimas exceções… Mas, como além de folhear umas páginas, a gente gosta de comer uma pipoca também, vem aí uma listinha pra ler e assistir!
Dá pra ler primeiro e comparar depois, assistir pra ver se dá vontade de ler, só ler ou só assistir. Enfim! Tem literatura boa indo pras telonas e você acompanha as dicas por aqui. Vamos aos finalmentes?

Os 6 filmes mais violentos dos últimos 20 anos

Sangue nos olhos!

Hoje vamos listar os filmes mais violentos dos últimos 20 anos.

Mas antes, vamos pensar um pouco sobre o tema “cinema e violência”.

Como todos sabem, o cinema é uma arte que se estabelece como um reflexo da sociedade, já que nasce das inquietações e reflexões de seus idealizadores e criadores.

Fora essa coisa toda de indústria cultural, é legal perceber a conjuntura e os momentos em que nascem as expressões artísticas regadas de catarse  como o cinema. Observando essa lista com os filmes mais violentos dos últimos 20 anos, podemos (e devemos) trazer o recorte dos filmes para um cenário mais próximo do nosso.

Pra alguns pensadores, a violência é inerente ao ser humano, advinda de um impulso primitivo vivido ainda no inconsciente. No entanto, as aplicações desses impulsos acontecem deliberada e conscientemente.

Passando por todo esse momento reflexivo, o que nos sobra na telinha é sangue e agonia. Quem curte esse mix, cinema e violência, trocaremos em seguida umas boas indicações por aqui.

A vida mundana de Darth Vader

É só tocar a Marcha Imperial para os calafrios começarem: Darth Vader está chegando e ninguém quer ficar no caminho do mais badass dos Sith. O principal personagem do cânone de Star Wars é também um ícone da cultura pop, reconhecido mundialmente até por aqueles que não são lá muito fãs das histórias criadas por George Lucas.

Mas a vida de Darth Vader não se resume a batalhas empunhando seu sabre de luz. Bom, pelo menos foi o que um fotógrafo polonês pensou… Pawel Kadysz não só idealizou, como também botou em prática o que muitos de nós, amantes da cultura pop, podemos esquecer: nem só de atitudes maléficas e planos mirabolantes vivem os vilões!