Loja

Tempo, tempo, tempo...

Fizemos a retrospectiva do impacto social gerado pela Chico em 2020


• 4 mins de leitura
Tempo, tempo, tempo...

“Ano passado eu morri, mas este ano, socorro!” Revisitamos Belchior - inclusive em estampa -  e demos uma ligeira modificadinha. Este ano não foi moleza não e talvez a gente ainda precise tomar distância no tempo pra entender a dimensão de tudo que vivemos. Individualmente, cada um se partiu e se refez de diferentes formas, mas dificilmente alguém escapou do exercício de olhar pra dentro. Não faltaram jeitos de ressignificar e o afeto funcionou como oxigênio frente ao nosso desentendimento e ansiedade para retornar a um mundo que parecíamos dominar.

Cercar-se de gente valiosa em trincheiras que iam muito além dos limites físicos, exercitar o músculo da empatia, buscar aconchego na arte… Todo mundo teve que encontrar sua forma de viver e aprender a jogar. Cá estamos, prontinhos para mais uma temporada. E, por que não, se permitir uma pontinha de esperança? Vai haver tropeços e perigos na esquina, 2020 não deixa duvidar. Mas também entendemos que a gente é muito mais desdobrável do que imagina. E o que mais fazemos nesta vida é recomeçar. Recomecemos, pois. Com o coração quentinho e agradecido. Estar aqui já é um bocado.  

O ano foi de muito impacto social na Chico Rei. Preparamos uma retrospectiva social bem bacana para você que contribuiu pra essa roda girar.

Bem-vindo seja, 2021!  

Em março, quando a pandemia chegou ao Brasil, a Chico Rei deu início à produção e doação de máscaras para a prevenção da Covid-19. Foram mais de 200 mil máscaras doadas e o estabelecimento de parcerias solidárias foi muito importante para que isso acontecesse, como com o cantor Tiago Iorc.

Também em parceria com Tiago Iorc, a Chico lançou uma camiseta com renda destinada ao combate à fome no interior do Ceará e a CUFA Ceará foi parceira nessa missão. A CUFA Ceará atua em mais de 200 favelas do estado, na capital Fortaleza, em Sobral, Maracanaú e Juazeiro. A ideia foi driblar a burocracia e possibilitar o acesso rápido desses grupos vulneráveis a recursos, com foco, eficiência e transparência.

Também em parceria com a CUFA Ceará, lançamos a camiseta Solidariedade, com renda revertida para o projeto. A CUFA (Central Única das Favelas) é uma organização brasileira reconhecida nacional e internacionalmente nos âmbitos político, social, esportivo e cultural que existe há 20 anos. Foi criada a partir da união entre jovens de várias favelas, principalmente negros, que buscavam espaços para expressarem suas atitudes, questionamentos ou simplesmente sua vontade de viver.

Em parceria com o cantor Lenine, lançamos a camiseta Paciência, com renda revertida para a cadeia de produção musical afetada pela pandemia. Em tempos de olhar pra dentro e de buscar coragem para tantos enfrentamentos que têm sido colocados, a arte funciona como um refúgio muito lindo e seguro. E mostra-se mais necessária que nunca. Lenine e Dudu Falcão emprestaram os versos de Paciência para uma estampa que também é causa.

Em parceria com Milton Nascimento e a família de Fernando Brant, lançamos a estampa Amigo é Coisa pra se Guardar. Toda a renda da venda dessa estampa é revertida para a cadeia de produção do Milton Nascimento.

2020 foi um ano muito especial pra gente. Inauguramos a célula de produção na Penitenciária masculina Professor Ariosvaldo Campos Pires, em Juiz de Fora. Através do trabalho, os presos têm a possibilidade de ressocialização, retomada da autoestima e de um monte de sentimentos bacanas que ficam comprometidos pela situação de cárcere. Cada três dias trabalhados na penitenciária correspondem a um dia de remição da pena. Além disso, o valor que os presos ganham pelo trabalho é dividido em três percentuais: 25% são destinados à conta pecúlio (uma espécie de conta-poupança judicial acessada quando ganharem a liberdade), 50% são destinados à assistência familiar ou pessoal (diminuindo os impactos causados pela ausência de um provedor da família) e 25% ficam com o Estado. Dá pra saber tudinho do projeto aqui.

A Black Friday deste ano foi legal pra caramba porque além das ofertas, pudemos beneficiar três instituições com o impacto das vendas. E nosso cliente teve papel ativo na escolha da instituição no momento da compra. Foram três as instituições beneficiadas:

  • SOS Mata Atlântica: A Fundação atua na promoção de políticas públicas para a conservação da Mata Atlântica por meio do monitoramento do bioma, produção de estudos, projetos demonstrativos, diálogo com setores públicos e privados, aprimoramento da legislação ambiental, comunicação e engajamento da sociedade;
  • Gente em Primeiro Lugar: O programa oferece oficinas de artes visuais, capoeira, música, dança e teatro em 70 espaços de Juiz de Fora, Minas Gerais. São mais de três mil crianças e adolescentes atendidos;
  • Sociedade Juizforense de Proteção aos Animais e ao Meio Ambiente: Sociedade civil sem fins lucrativos fundada em 1986, em Juiz de Fora, Minas Gerais. Atuam no amparo a animais em situação de vulnerabilidade, fomentando a adoção consciente.

Ah, nosso projeto Artistas Convidados também apoiou artistas independentes de todos os cantos do Brasil. Desde 2017, cedemos nossa estrutura completa para a produção, venda e logística de todos os produtos de nosso catálogo para que artistas convidados possam mostrar sua arte pro mundo. Nesses quase 3 anos de projeto, já contamos com mais de 1300 estampas assinadas. Em royalties, já foram distribuídos mais de R$ 900 mil reais para artistas de todo o país.

Em 2021, a gente quer continuar mudando o mundo com camisetas. Convidamos você a fazer essa roda girar com a gente. Tem muita coisa bonita pra ser desenhada nesse recomeço!


Tags

camisetas mudam o mundo, Penitenciária Ariosvaldo Campos Pires, célula de produção penitenciária, belchior, 2021, ano passado eu morri, mas esse ano não morro, ressignificar, ano novo, impacto social