Chico Rei opina: review de Game Of Thrones S07E03

O terceiro episódio de Game Of Thrones já prometia o tão esperado encontro entre gelo e fogo, as expectativas estavam altíssimas e o episódio dividiu opiniões, tanto mundo a fora, quanto aqui na firma.
Mais uma análise nossa com alguns spoilers, pitacos, teorias e uma pitada de fã surtando.

Again, tem spoiler rolando.

Amigxs, que domingo esperado foi esse: Jon Snow e Daenerys se conheceriam, novos passos na guerra pelo Trono de Ferro e Euron Greyjoy finalmente entregando a Cersei a assassina de sua filha. O nome do episódio já foi sugestivo: “The Queen’s Justice”.

Gelo e Fogo

Sem muitos rodeios o episódio abriu com Jon chegando em Pedra do Dragão e meu coração já saltou. Tyrion o recebe com “O bastardo de Winterfell”, ao que Jon responde “O anão de Casterly Rock”; simpáticos!

Vamos falar do trio que amamos interagindo em cena? Há quem diga, “as três cabeças do dragão”, especulações à parte, o tão esperado encontro Jonerys foi… morno. Detalhe para os trocentos títulos de Daenerys e o Jon Snow, só Snow hahahaha amei. Parece que o Tyrion também.

Vamos aos fatos:
Não foi fanservice em momento algum. Apesar de ambos precisarem um do outro – Dany agora mais do que antes depois de mais uma “derrota” – e Jon por conta do Vidro de Dragão, não foi um chá feliz. Mas vamos lá, ambos não se conhecem e o único elo entre eles no momento é Tyrion. Por isso o diálogo não é 100% amistoso, tanto Dany quanto Jon carregam consigo um estereótipo de suas Casas (mesmo o cara sendo Snow) e também os horrores do passado trocados por suas famílias. Claro que esse shade rolaria, o Rei Louco queimou avô e tio de Jon Snow vivos e Ned era, como a Mãe de Dragões bem ilustrou, o melhor amigo de Robert Baratheon.

É importante ressaltar que nos primeiros momentos ficou claro para ambos que ali não eram pessoas comuns em uma guerra, Daenerys lançou ao bastardo um olhar de “esse cara tem alguma coisa” e Jon pontuou bem que ela tem três dragões e não atacou Porto Real porque não gostaria de matar milhares de inocentes. Os dois são muito diferentes de Cersei, ponto em comum que já sabíamos e que eles descobriram juntos.

Claro que a khaleesi ia botar a banca pra cima de um bastardo que se autodenomina rei e Jon, sabendo que dificilmente acreditariam nele, omitiu o fato de ter ressuscitado. O que nos faz refletir sobre a razão: simplesmente humildade ou medo? Mesmo que Dany não tenha deixado passar a frase de Sor Davos sobre a facada no coração e comentado posteriormente com sua Mão, que aparentemente não deu muita importância. Huuuum.
Intrigante é que Daenerys tem três dragões, algo que também é complicado de crer, mas não deu crédito a história dos White Walkers. Mesmo Tyrion não pareceu ter certeza, mas não descartou a história de Snow. Aquela coisa da honra conta mesmo, gente.

Os fantasmas do passado e as incertezas da guerra colocaram esse encontro no patamar das divergências. Jon não dobrou o joelho, não foi punido, mas está, de modo prático, cativo em Pedra do Dragão. Foi coerente? Foi, mas como as expectativas estavam nas alturas, as opiniões ficaram divididas.
E você, o que esperava desse encontro?

A cena entre Jon e Tyrion na montanha foi visualmente excelente e o diálogo fez a gente viajar de volta pra primeira temporada: o que não sabe de nada e o que supostamente sabe de tudo, batendo um papo. Não vou mentir, adoro. Nesse momento veio à tona o vidro de dragão e Tyrion, político como sempre, sussurrou pra Dany. Agora Fogo e Gelo estão temporariamente ok cuidando do que é importante pra eles, cada um no seu quadrado.

Ps: a cena Jonerys nas pedras, observando os dragões. Será se vai dar samba, amigxs? Vejamos os próximos episódios enquanto eles passam a se conhecer um pouco mais.
Ps2: pra que mandar a Melisandre embora?? Nóis quer ver o circo pegar fogo. Não curti. E vocês?
Ps3: muito estranho ninguém perguntar como um Lorde Comandante da Patrulha da Noite desertou e não sofreu consequências, se tornando Rei do Norte. Tyrion, Tyrion… será que a pergunta era óbvia demais?

A matilha se reúne

Enquanto isso em Winterfell ~voz de locutor~, Sansa coordena os lordes do norte e do Vale como se tivesse nascido pra isso, fato que Mindinho, é claro, não poderia deixar de notar e jogar no ar. Ela parece satisfeita consigo mesma e dona da p%rra toda, até aí tudo joia.

O que não esperávamos? Bran is the house e esse reencontro me deixou, por falta de palavra melhor, bolada. Ok, ele é o Corvo de Três Olhos agora e isso muda basicamente tudo. Além disso, Sansa achava que o irmão estava morto e ele aparece em Winterfell, a garota o recebe cheia de emoção e ele fica blasé. É claro que teorias surgiram a respeito desse comportamento do jovem Stark e vamos a alguns fatos: ele sabe de tudo, tipo tudo o tempo todo e isso deve deixar a pessoa em um estado constante de sobrecarga mental; a galera comentou que ele ter estado frio já é um traço de alguém que sabe o quão mutáveis e finitas as coisas são e agora o garoto tem essa dimensão e prefere não se conectar, será? Ou então ele já previu alguma situação em que Sansa erra? Ou eles simplesmente nunca foram próximos.

O caso é que o garoto não consegue explicar a magnitude de seu dom a Sansa, mas descreve a cena de seu casamento com Ramsay Snow e a irmã fica, no mínimo, desconcertada. Não sei muito bem o que pensar da cena e do reencontro, mas lembremos que Isaac Hempstead-Wright (ator que faz o Bran) já havia comentado que reencontros Starks seriam estranhos, afinal eles mudaram bastante desde que Ned foi para o sul.
Sentimos falta de Arya pra salvar o episódio, fica a dica.

A justiça da rainha

Que o episódio fez jus ao nome, não podemos negar. E talvez esse seja o x da questão: Cersei está vencendo e está implacável, sim, ela ofuscou muitas coisas. A sensação de invencibilidade que ela me passou nesse episódio é completamente diferente daquela rainha do primeiro episódio que conversava com Jaime: paranoica e sem aliados. Hoje podemos dizer que ela está a frente na guerra e mais cruel do que nunca. Três fatos muito interessantes sobre a Rainha Lannister nesse episódio:

1 – Tá bem assessorada a loira. Euron Greyjoy está sedento por vencer a guerra e se casar com Cersei e continua inabalável. Jaime continua panguá e cego de amores, mas vamos combinar que ele teve algumas ideias boas sobre as batalhas que se seguiram e a gente não contava com essa esperteza. Nem o Tyrion, o que foi estranho.
Ps: não subestime Qyburn, começo a achar que o cara é tão esperto quanto nossos jogadores preferidos Mindinho e Varys. Tá, talvez eu esteja exagerando, mas ele “ressuscitou” o Montanha e já se provou um cara que traz a solução que a rainha precisa, na hora necessária e sem escrúpulos para tal. Cersei adora, os dragões é que podem não curtir tanto. Ficaremos atentxs.

2 – O nível de crueldade tá insano. Tudo bem que explodir o Septo de Baelor já deixou bem claro que a Cersei não tá nem aí pra quantos morrem no processo dela até o poder. Mas vimos a faceta vingativa dela ainda mais refinada: matar a filha de Ellaria do mesmo modo que Ellaria matou Myrcella. E o pior, lentamente, em frente a ela.
Sem falar que como Sansa já nos disse lá no primeiro episódio, não importa como, Cersei não vai descansar até destruir um por um todos os seus inimigos.

3 – A autoconfiança tá mais alta que o Ninho da Águia. Let’s talk about Jaime Lannister, mais uma vez. Estão descaracterizando o personagem demais da conta e eu to irritada, mas vamos combinar que um cadinho do que o cara sonhou ta acontecendo: Cersei expôs a relação dos dois em frente a uma serva e isso só prova o quanto ela não tá nem aí pra mais nada. E claro, ta se achando poderosona.

Falando em ego, o Banco de Braavos tardou mas não falhou em vir cobrar a dívida catastrófica da Coroa. Cersei já tinha o plano de atacar High Garden e já soltou o papo: um Lannister sempre paga suas dívidas. Parece que o enviado do banco comprou a promessa e até comparou a rainha a Tywin. Pe-sa-do.

A justiça da rainha +1

Esse tópico é pra falar do ataque Lannister a High Garden: ponto pra Jaime Lannister que parece ter aprendido uma coisinha ou outra nas guerras que participou. Largou Casterly Rock – que já tava sem grana mesmo – pra Daenerys tomar e ainda combinou com Euron pra destruir os navios da galera e deixar eles lá cuidando de… bem, praticamente nada.

Enquanto o rochedo estava sendo tomado, grande parte do exército de leões estava conquistando o lar da casa Tyrell, aparentemente com os vassalos traidores. E Tyrion também não contava com essa? Isso tá cada vez mais estranho, ou to viajando?

Não é segredo que, apesar dos pesares, eu admiro pacas a Olenna Tyrell. E pra mim ela merece tanto o título do episódio, quanto a própria Cersei. Até o momento da própria morte, a Rainha dos Espinhos consegue ser destruidora. O diálogo final foi absolutamente emblemático, com Jaime pagando de misericordioso (afinal ele é mais humano do que Cersei, o que não é muito difícil).

Olenna bebe o veneno e joga na cara do Lannister que foi co-responsável pela dolorosa morte de Joffrey e ainda faz questão de falar: “Conte a Cersei. Eu quero que ela saiba.”
Estamos tristes com a morte dela, mas se tem jeito mais glamour de morrer, eu desconheço.

Mais umas coisinhas

Chamando atenção a um detalhe que pode ter passado despercebido: o curto diálogo entre Sor Davos e Missandei. Pra quem não se ligou, Davos era um contrabandista que conhece bem as cidades livres e ficou intrigado com o fato da conselheira de Daenerys não possuir um sotaque específico, ao mencionar a Ilha de Naath e Missandei apenas lhe respondeu com um sorriso. Pipocaram teorias de que ela seria uma traidora, não sei se concordo, mas nenhuma palavra é trocada sem propósito em GoT. Fiquemos de olho.

Sam curou mesmo Jorah? Achei muito fácil e quase infartei quando eles apertaram as mãos. O Arquimeistre não expulsou nosso amigo, mas deu um castigo básico. Agora o Mormont parte pra Pedra do Dragão pra encontrar a amada e deve a vida ao bff de Jon Snow. Amando esses caminhos que se cruzam.

Duas tristezas: sem detalhes de Casterly Rock e High Garden, ambos castelos conhecidos por serem deslumbrantes em suas respectivas descrições. Grana economizada pros dragões?
Sem falar que as batalhas foram rápidas, já esperávamos isso e inclusive contaram com a narração de Tyrion ao fundo. Um pouco diferente do que estamos acostumados a ver. Há quem tenha amado, há quem tenha odiado. Vocês curtiram?

Falando em Tyrion… Dois passos dados na guerra, dois “fracassos”. Não acredito que os planos tenham sido ruins, acredito que talvez o anão tenha subestimado os irmãos. Agora parece que Daenerys vai começar a tomar as rédeas estratégicas e o próprio Tyrion anda reflexivo.

Veredito

Mais um episódio morno e preparativo, já saíram notícias de que os próximos vão ser avassaladores em todos os sentidos e a gente espera por isso. Porque as coisas estão acontecendo depressa demais ou devagar demais? A impressão é que algumas coisas estão sendo um pouco negligenciadas nessa corrida, sem me precipitar, já to no aguardo e pirando com mais um teaser. Essa foi a análise mais tensa de ser feita pra mim, o que acaba mostrando que o episódio foi robusto no fim das contas.
Quero saber o veredito de vocês e faço o convite pra conhecerem toda a garbosidade dos Sete Reinos bem aqui.